contador

Hits Since February 12, 2007!

Free Hit Counter by Pliner.Net

Tradutor

Seguidores

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A morte da rosa

Era uma vez uma Rosa
De cores agressivas vestida.
Da vida protegida
... Espinhava!

Cada espinhada que ela dava
... Sofria!
Até que, um dia, o fiel jardineiro sumiu.
A Rosa, que se abriu, ficou caída, desfolhada.

Tamanha foi a dor
Que nem o beija-flor
Sobre ela mais bailava.

As estrelas não mais alumiavam.
O sol não mais a aquecia.
Sob o orvalho da manhã uma Rosa morria.

5 comentários:

hesseherre disse...

JARDINEIRO SEM TESOURA, CORAÇÃO E REGADOR....
ESPINHEIRO PROTETOR... - E AGORA JOSÉ?
NINGUÉM ADUBOU, NÃO TRATOU DESSA FLOR, QUE SE SUICIDOU DE SAUDADES DE OUTROS TEMPOS...

Fátima disse...

E AGORA JOSÉ?

A flor chorou... chorou...
Um pouquinho murchou.
Depois, brotou!

Esses são os mistérios de uma Rosa.

Anônimo disse...

Didi,
é vc a rosa que morreu??????????????
Não acredito!!!!!!
Saudades e beijos,
com o carinho de sempre,
Ana.

Melanie Brown disse...

Que dor!!!!!!!!!!!!!!! Não gostei da comparação com sua foto ilustrando a postagem, deu-se em mim um certo desespero, rs. Mas o poema é bonito!

Obrigada pela força querida,
Beijosssssss'

Fátima disse...

Não se desespere...
Espere e verá.
Uma Rosa há de brotar
Com mais força.
Muito melhor!
Com carinho
Diretamente do jardim da Maraláxia
Rosa
de Fátima